https://www.bensculturais.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/959143Cabecalho10.jpglink
https://www.bensculturais.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/937150Cabecalho1.jpglink
https://www.bensculturais.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/501694Cabecalho12.jpglink

INVENIRE: Revista de Bens Culturais da Igreja

Nº 13 já disponível Investigação, Obras em destaque, Portfolio, Perfil, Projectos, Recensões, Livros

Inventário Online

Motor de busca para pesquisa conjunta dos inventários de Bens Culturais da Igreja disponíveis online, com sistema In Web.

Portal Cesareia

CESAREIA: conheça o portal e catálogo colectivo das bibliotecas eclesiais portuguesas, informação sobre as bibliotecas aderentes, horários, condições de acesso e notícias.   .

Grupo de Trabalho para a área da Conservação e Restauro

Enfrentando uma lacuna há muito sentida, foi criado, sob proposta do SNBCI, o Grupo de Trabalho para a Área da Conservação e Restauro (GTCR). Aspirando à implementação de uma dinâmica de actuação concertada, junto de todos os responsáveis pelo património cultural da Igreja, dele fazem parte representantes de algumas das principais instituições nacionais associadas ao sector.

Domínio de intervenção que se debate com problemas variados, nem sempre sinalizados, não é novidade que se justificam, em muitos casos, pela escassez de recursos financeiros ou pela ausência de técnicos especializados.

Porém, outras são as contrariedades a enfrentar. Não aquilo que por impedimento financeiro se adia, mas o que efectivamente se faz: os procedimentos desadequados, causadores de intervenções danosas. Levadas a cabo por pessoas sem qualificação, por vezes de formação autodidacta, em actos de amadorismo apartados de qualquer normativa, se, por um lado, entroncam numa autonomia local especialmente nociva, assentam, por outro, na ausência de fiscalização e acompanhamento técnico apropriado.

Pese embora a abundância de orientações normativas, no tocante à salvaguarda e conservação do património cultural, estas são frequentemente descuradas, por falta de uma acção mais escrupulosa e efectiva. Reconhecendo-se, com efeito, a insuficiência e fragilidade de alguns serviços vocacionados, pese embora o esforço de acompanhamento noutros casos, ele é manifestamente exíguo no panorama das 20 dioceses que marcam o mapa eclesiástico nacional.

A formação desadequada em matéria de conservação preventiva, é outro dos grandes obstáculos a circunscrever. Lacuna que tem por base a reduzida sensibilidade para a importância do património, é notória a ausência de uma real consciência do seu valor, provocando, não raras vezes, a incompreensão da própria intervenção de restauro.

Outra das lacunas a que é necessário corresponder, numa primeira fase de actuação, é a do desconhecimento do património em risco, cuja identificação não se verifica de modo sistemático, nomeadamente através da elaboração de cartas de risco, capazes de assinalar, pelo menos, os casos mais graves.

Reunido pela primeira vez a 21 de Julho de 2011, na Conferência Episcopal Portuguesa, o GTCR definiu, como medidas a implementar, no quadro da sua actuação, as seguintes acções prioritárias:

  • Realização de um inquérito de diagnóstico à situação da Conservação e Restauro junto das instituições da Igreja, em ordem a promover um melhor conhecimento da realidade.
  • Elaboração de um manual de procedimentos, tendo em vista definir as etapas que cada responsável deve observar para iniciar um processo de Conservação e Restauro, com indicações precisas quanto aos procedimentos a considerar.
  • Criação de uma base de dados, capaz de responder eficazmente às consultas das instituições eclesiais que solicitam aconselhamento na selecção dos profissionais mais adequados.
  • Elaboração de um plano de formação nacional, em colaboração com outros organismos, que forneça a todos os que lidam com o património religioso as ferramentas necessárias à aplicação de boas práticas e medidas preventivas.


 GTCR (2012)

  • D. Pio Alves | Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais
  • Sandra Costa Saldanha | Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja
  • Maria de Fátima Eusébio | Conselho Nacional para os Bens Culturais da Igreja
  • Gabriela Carvalho | Departamento de Conservação e Restauro do Instituto dos Museus e da Conservação
  • Maria Alexandrina Barreiro | Associação Profissional de Conservadores Restauradores de Portugal
  • Carla Felizardo | Centro de Conservação e Restauro da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa
  • Augusta Moniz Lima | Departamento de Conservação e Restauro da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
  • Carla Maria Calado Rego | Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Tomar


GTCR (2011)

  • D. Carlos A. Moreira Azevedo | Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais
  • Sandra Costa Saldanha | Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja
  • Maria de Fátima Eusébio | Conselho Nacional para os Bens Culturais da Igreja
  • Gabriela Carvalho | Departamento de Conservação e Restauro do Instituto dos Museus e da Conservação
  • Maria Alexandrina Barreiro | Associação Profissional de Conservadores Restauradores de Portugal
  • Carla Felizardo | Centro de Conservação e Restauro da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa
  • Augusta Moniz Lima | Departamento de Conservação e Restauro da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
  • Carla Maria Calado Rego | Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Tomar
 

© Copyright 2012, Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja. Todos os direitos reservados